Ministério da Agricultura faz supervisão do Programa Sentinela

Ministério da Agricultura faz supervisão do Programa Sentinela

O Rio Grande do Sul ganhou um reforço no rebanho gaúcho brasileiro. O Programa Sentinela visa atuar nos 59 municípios de fronteira com o objetivo de evitar o trânsito ilegal de animais e produtos na fronteira.  

Em parceria com as forças de defesa e segurança, a fiscalização da Secretaria da Agricultura vai manter equipes atuando diariamente em toda a extensão da fronteira. Todo animal encontrado fora de uma propriedade pode ser recolhido e encaminhado ao abate sanitário. Isso combate, além do trânsito de animais, a criação de gado de corredor.

Esse Programa do Ministério da Agricultura vai auxiliar na conservação dos recursos naturais e incentivar uma exploração mais sustentável nas propriedades rurais. Um solo e uma água saudável são de extrema importância para quem deseja um aumento significativo de produtividade e melhoria da qualidade  do que sai do campo e vai diretamente para a sua casa.

Ocorreu no dia 24 de Maio uma supervisão para avaliar os dados capturados como meio de organização. Dois dias depois, em Porto Alegre, auditores fiscais agrícolas federais supervisionaram as operações diárias de uma das equipes no Distrito Quatro, que inclui a área de Santa Rosa. São avaliadas as atividades de fiscalização de trânsito, fiscalização rodoviária, contagem de gado e caminhões, carregamento de cargas e fiscalização de imóveis rurais.

Todos os países com regiões livres de febre aftosa não vacinadas foram pesquisados. Segundo o controlador federal de tributos agrícolas Gilson Evangelista de Souza, do Mapa, esse controle é necessário para manter o atual estado sanitário do país perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Os resultados do monitoramento serão apresentados na próxima reunião do grupo de gestão do país em agosto.

Grupos filiados ao programa Sentinela, que monitora toda a área de fronteira do Rio Grande do Sul com Argentina e Uruguai, percorreram 13 mil km no primeiro trimestre deste ano. Nessa jornada, realizaram 15 marchas, fiscalizaram 4.857 bovinos, 594 ovinos e 233 equídeos, vistoriaram 64 propriedades e realizaram 778 ações de educação sanitária.

O Programa Sentinela, instituído pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, encerrou no dia 8 de julho por mais de dois anos, percorrendo 1.200 km em 59 cidades fronteiriças e com apoio das Forças de Defesa e Segurança.

Qual é a Importância do Monitoramento de Gado?

A capacidade de uma fazenda de aumentar os lucros e a produtividade está direta e intimamente relacionada ao controle cuidadoso do rebanho. Ao contrário do que ocorreu há cerca de 50 anos, quando a pecuária de corte se tornou mais industrializada no Brasil, o número de fatores que afetam a qualidade e o volume da carne aumentou significativamente. Graças a um conhecimento mais profundo da produção, o criador dá mais atenção a detalhes que antes passavam despercebidos, e isso pode fazer a diferença entre ter lucro ou não.

O velho ditado “O olho do dono acaricia o boi” não vale mais. No passado, devido à falta de dados precisos do rebanho, os proprietários muitas vezes ficavam de olho no valor de venda de sua arroba sem levar em conta os demais custos envolvidos, imaginando que apenas as flutuações do mercado intervieram. Faço. Esse costume, que existiu nas fazendas brasileiras das décadas de 80 a 90, acabou contribuindo para um ciclo contínuo de erros que não permitia o acompanhamento detalhado dos lucros da empresa, afetando significativamente a gestão da pecuária.

A chave para virar o jogo da gestão de uma propriedade para a alta rentabilidade e melhoria da produção é o entendimento por parte dos proprietários e gestores de que é essencial ter todos os dados disponíveis, dados de processo e processo para melhorar as decisões. Embora o modelo agrícola seja extremamente tradicional e opere de forma semelhante há muitos anos, não é possível encontrar uma gestão e produção eficientes sem contar com a tecnologia.

O volume de informações coletadas e processadas pelas fazendas pode ser um dos motivos pelos quais os produtores mantêm métodos tradicionais de gestão de ativos. De fato, ao rastrear bandos individuais, o monitoramento gera enormes quantidades de dados, pois cada um possui um histórico de informações sobre consumo, ganho de peso, uso de drogas e outros aspectos. Isso tem que ser analisado de uma forma específica, permitindo medições de desempenho individuais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.